quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Ação Saúde é realizada na Polícia Militar de Paragominas

Foto: Bruno Nascimento

Durante a “Parada Militar”, realizada mensalmente na sede do 19º BPM de Paragominas, na região nordeste do estado, a Secretaria de Saúde realizou imunização contra febre-amarela, antitetânico e hepatite B.

O tenente coronel Rubenlúcio, passou orientações sobre policiamento ostensivo preventivo e as conquistas que a unidade vem recebendo nos últimos meses. Como a reforma completa realizada no 19º BPM, além da construção do muro.

Foi abordado ainda sobre a ação do policiamento que será realizado durante o plebiscito que ocorrerá no próximo dia 11 de dezembro, nos municípios de Paragominas, Ipixuna do Pará, Ulianopólis, Dom Eliseu, além das zonas rurais que são atendidos pelo 19º BPM, o policiamento preventivo será reforçado para que tudo ocorra sem alterações durante as eleições.

O cabo Brito, juntamente com soldados Lima e Silva, Mauro e Adriano, foram elogiados perante a tropa, por terem concluído o III Nivelamento de ROTAM em Belém do Pará.

Foto: Bruno Nascimento
Sobre coordenação do enfermeiro Macondes Matheus, técnicos de enfermagens realizaram a segunda etapa de vacinação contra Hepatite B, Antitetânica e Febre Amarela. Aproximadamente 150 pessoas, entre policiais, voluntários civis e funcionários, lotados no 19º Batalhão de Polícia Militar, foram imunizados. A terceira ação ocorrerá no próximo mês, uma parceria entre a Secretaria de Saúde, da Prefeitura de Paragominas e 19º BPM.

O 19º Batalhão de Polícia Militar de Paragominas e Companhias Orgânicas de Ipixuna do Pará, Ulianopólis e Dom Eliseu, são comandados pelo tenente coronel Rubenlúcio.

Bruno Nascimento, de Paragominas. 

Entenda como Paragominas, no Pará, saiu da lista de maiores desmatadores e virou exemplo de pecuária sustentável

Em 2008, o município de Paragominas/PA foi inserido na lista do Ministério do Meio Ambiente (MMA) entre as cidades brasileiras que mais desmatavam. Com isso, a venda de gado e o acesso a crédito pelos produtores ficou cada vez mais difícil, prejudicando toda atividade agropecuária da região.

Sob essa classificação, o município se viu sob pressão do mercado para redução de desmatamento, por regularização ambiental, regularização trabalhista, fiscalização do IBAMA, maiores exigências como requisito para crédito e a venda limitada de sua produção.

Buscando regularizar a situação, um trabalho de cadastro das propriedades rurais e levantamento das áreas de Reserva Legal (RL) e Área de Preservação Permanente (APP) mostrou que 66% da área do município era coberta por vegetação nativa, e que Paragominas não pertencia à lista do MMA dos municípios que mais desmatavam.

O projeto Pecuária Verde foi organizado pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Paragominas (SPRP) junto com a prefeitura, com a ONG The Nature Conservancy (TNC), Imazon, especialistas em pastagens para produção pecuária da Unesp e USP, Fundo Vale e Dow Agroscienses.

Figura 1. Estrutura do projeto Pecuária Verde de Paragominas-PA



O objetivo do projeto foi diagnosticar todo o território do município para identificar o tamanho e o local do desmatamento e mostrar que o município não desmatava o quanto tinha sido levantado pelo MMA.

Comparando os dados de desmatamento de 2009 com o banco atual de propriedades cadastradas, constatou-se que 80% da área de desmatamento estavam fora das áreas com Cadastro Ambiental Rural (CAR), as propriedades privadas. As demais áreas eram assentamentos, terras indígenas ou sem definição.

Figura 2. Situação fundiária do desmatamento em 2009



No início do projeto, foi feita a avaliação da situação florestal de cada propriedade, identificando por imagem de satélite de alta resolução a área da fazenda, as áreas de pastagem, de RL, de APP e caso a fazenda tivesse passivo florestal esse levantamento orientava o produtor sobre o tamanho desse passivo e qual a área mais indicada para o reflorestamento. Atualmente mais de 95% das propriedades de Paragominas estão cadastradas no CAR.

Figura 3. Situação do cadastramento em set/2009




Figura 4. Situação do cadastramento em 2011



O levantamento ambiental foi feito pela TNC, e a orientação para o uso intensificado das pastagens é oferecida pelo Sindicato, contando com ajuda de especialistas em pastagens.

Portanto, os produtores recebem o diagnóstico da situação de sua fazenda, o que precisam fazer para regularizarem sua propriedade e ainda recebem a orientação para intensificar seu sistema produtivo, pois quanto maior área de RL e APP, menor a área de pastagem numa mesma propriedade.

No exemplo abaixo, está demonstrado um levantamento da área florestal (amarelo) e a orientação para reflorestamento (vermelho) de acordo com o tamanho do passivo florestal de cada propriedade.

Figura 5. Indicação para adequação ambiental


Intensificação

No início do trabalho de orientação aos produtores para intensificar seus sistemas de produção, foi feito um diagnóstico das pastagens da região.

Foi identificado que o solo é extremamente fértil, o que levava à perda de forragem pelo sub-pastejo, lotação abaixo da necessária para consumir a forragem. Foi identificada também perda de forragem por vedação de pastagens em excesso (pasto diferido).

Com o cuidado de ter volumoso para fornecer ao gado na época de pouca chuva, os produtores acabavam vedando pastos antecipadamente, o que deixava palhada em excesso para consumo na seca.

O acesso às aguadas também foi um fator limitante encontrado para a produção, pois em diversas fazendas o acesso era restrito para o tamanho dos lotes de animais praticados pelos produtores. A baixa suplementação no período da seca também foi outro fator limitante da produção encontrado, e a falta de recursos dos produtores foi o principal motivo causador.

Sob orientação de especialistas, o SPRP atende os produtores da região com o objetivo de intensificar o uso das pastagens, já que com o reflorestamento a área de pastagem por propriedade diminui.

Essa intensificação busca atender os fatores limitantes de produção de cada propriedade, melhorando a competitividade entre pecuária e agricultura.

O fator mais importante levado em consideração no projeto de intensificação é a profissionalização do pecuarista e mudar seu modo de produção extensivo e extrativista para um sistema intensivo e sustentável.

Através de treinamento do pecuarista e de sua mão-de-obra, para criar uma visão empresarial e de gestão, para serem feitas coletas dados, análise dos dados, planejamento das atividades, acompanhamento da execução e replanejar as atividades necessárias de acordo com os resultados obtidos.

O projeto Pecuária Verde foi apresentado no Tecnotour, evento organizado pela Dow Agrosciences divisão Pastagens em out/11, contando com consultores e pesquisadores. Representando Paragominas para apresentar o projeto, o evento contou com o presidente do SPRP Mauro Lúcio de Castro Costa, Fábio Niedermeier da TNC e Daniel Silva do Imazon. Quem apresentou a orientação técnica dada aos produtores para intensificação das pastagens foi Moacir Corsy, Prof. da Esalq/USP.

Projeto Pecuária Verde Paragominas-PA

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Placa das 7 Maravilhas já está no Parque Ambiental

Foto: Jorge Quadros - Ascom/PMP

Depois de concorrer com lugares exóticos e culturais o Parque Ambiental de Paragominas ganhou em segundo lugar entre sete concorrentes ao título de “Uma das Sete Maravilhas do Pará”.

O prefeito Adnan Demachki e o secretário do Meio Ambiente e do Verde Odilson Picanço afixaram na manhã de ontem a Placa Oficial do evento que foi promovido pelas Organizações Rômulo Maiorana, através do voto e de forma cristalina.

Adnan, ao colocar oficialmente a placa na entrada do Parque Ambiental agradeceu aos presentes e se referiu aos garis que fazem a limpeza do Parque como os protagonistas desta vitória “pois são vocês que mantém o Parque sempre limpo e adequado para receber nossos visitantes. Um dia histórico para a Cidade de Paragominas, mostrando mais uma vez que está definitivamente no cenário estadual como uma das mais belas do Pará”. (Ascom-PMP)

Flexa Ribeiro parabeniza município paraense de Paragominas

O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) parabenizou, nesta quarta-feira (23), o município paraense de Paragominas, classificado por ele como “exemplo nacional”. O parlamentar lembrou que, há 16 anos, o município era conhecido como “Paragobala” e apresentava os piores índices em todos os setores. Hoje, no entanto, tornou-se modelo, inclusive no aspecto ecológico, segundo o senador.
Flexa Ribeiro ressaltou que, pelo oitavo ano consecutivo, Paragominas recebeu o Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar, superando outros 1.082 municípios inscritos. O senador destacou que a administração de Paragominas já está pelo quarto mandato consecutivo nas mãos do PSDB.
- A Prefeitura fechou este ano parceria com o renomado chefe de cozinha Fábio Sicília, lá do Pará, para realizar cursos de técnicas de corte, aromas, ervas e temperos para as merendeiras das escolas municipais – assinalou.
O senador também anunciou que o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), encaminhou em caráter de urgência à Assembleia Legislativa um projeto de lei que cria um cadastro e uma taxa para acompanhamento e fiscalização de atividades de exploração mineral.
Segundo Flexa, o projeto segue o modelo de lei aprovada por Minas Gerais para taxar o minério explorado, como medida paliativa até a definição pelo Congresso de nova alíquota da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) e o encaminhamento pelo governo federal de uma proposta de novo Código de Mineração. A expectativa é de que o projeto do Pará seja aprovado ainda este ano e entre em vigor em janeiro do próximo ano.
Da Redação / Agência Senado

Oito vezes campeã!

Pela oitava vez consecutiva, Paragominas recebe hoje o Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar
 
 
Paragominas não é excelência apenas na área ambiental. Há oito anos, a cidade do nordeste paraense, mostra que é exemplo também quando o assunto é alimentação escolar. Hoje, 23, a cidade recebe em Brasília, pela oitava vez consecutiva, o Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar. Desde que foi criado, em 2004 é que a cidade paraense “papa” todas as estatuetas do “Menino Maluquinho”, personagem estampado nos troféus e é a única cidade brasileira a receber a premiação tantas vezes.

Hora do "lanche"! Foto: Wesley Braun
Essa é a primeira vez, em oito edições, que o ex-presidente Lula não estará presente na cerimônia por conta do tratamento contra o câncer de laringe a qual está se submetendo, mas  vários ministros irão fazer  a entrega à Adnan Demachki, prefeito de Paragominas, a estátua.

Em seu gabinete, Demachki coleciona troféus concedidos pela ONG Ação Fome Zero, mas apesar de se sentir vaidoso pelas premiações, sabe que ela faz parte de um trabalho muito maior, que começa no setor de licitação, passando pela fiscalização dos produtos até o preparo do alimento que vai parar nas mesas dos refeitórios das escolas da rede municipal de ensino. “Todos os anos, aguardamos ansiosos pela premiação. Toda nossa equipe trabalha todos os dias pra que a qualidade da merenda de Paragominas continue em alta e sempre melhorando. Nós mesmos somos fiscalizadores, essa é a diferença. Não servimos lanches em nossas escolas. Servimos alimento para a mente e para o corpo”, orgulha-se Demachki.

A pequena Vanessa Melo, de apenas 9 anos, hoje sabe que comer verdura faz bem. Ela confessa que antes fazia cara feia, mas agora seu prato preferido é arroz com cenoura. “Gosto de vir pra escola estudar, desenhar, fazer minhas tarefas”, diz a estudante. Mas confessa que a hora da merenda é a que mais gosta. A estudante Jaíne Costa, de 10 anos, prefere o iogurte com cereal. “A nossa merenda é nota 10!”, afirma.
 
Na cozinha, no preparo da "Merenda". Foto: Wesley Braun
As mais de 30 mil crianças atendidas nas escolas públicas municipais recebem um cardápio pra lá de variado, acompanhado de perto pela Secretária Municipal de Educação, Mosimeire Costa. Segundo ela, o menu vive se adaptando e depende da estação das frutas e dos legumes. Cheiro-verde, cariru, alface, pepino e abóbora são apenas alguns produtos que vem das hortas e pequenas plantações da região para a cozinha das escolas.

“Logo no começo, quando começamos a implantar esse cardápio, as crianças estranharam muito porque não estavam acostumadas a ter em casa uma alimentação balanceada”, lembra a secretária. “Hoje, a realidade mudou e muitas seguem essa alimentação em casa”, conta a secretária.

E quem reafirma isso é a diretora de uma das escolas municipais, Cleonice de Oliveira Costa. Segundo a educadora, a qualidade da merenda servida nas escolas municipais está em franca evolução. Ela conta que antes, as merendeiras precisavam triturar toda a verdura para poder inseri-la na alimentação escolar porque os alunos não “gostavam” de verduras. Agora, a realidade é outra. “Hoje já colocamos as verduras, hortaliças no prato e eles adoram. Até pedem!”, afirma Cleonice.

Solenildo Soares Carvalho é presidente do Conselho Municipal de Alimentação Escolar. Ele explica que a instituição tem como objetivo, acompanhar a merenda escolar do município, desde o processo licitatório até o preparo e a distribuição para os alunos. “Até agora, a Secretaria de Educação tem cumprido com excelência ao que se propôs, que é lisura e transparência em todos os processos da Merenda”, afirma Solenildo.  “Fiscalizamos também o estoque desses produtos, se eles estão sendo bem armazenados e até mesmo a questão de data de validade”, continua.

Segundo Walmir Nogueira, coordenador da Merenda Escolar de Paragominas, a parceria com pequenos produtores é um dos motivos para o sucesso do programa. “A gente trabalha com compra direta do produtor, livrando-nos dos atravessadores. Isso faz com que consigamos maior quantidade do produto a um preço mais acessível, sem perder qualidade”, revela o coordenador.
 
Demachki e Lula na Premiação de 2010
Prêmio

Desde que foi criado o prêmio, Paragominas é campeã. A primeira vez foi ainda na gestão de Sidney Rosa, em 2004. De lá pra cá, Demachki coleciona troféus e diz que não vai parar por aí. “Já implementamos no cardápio, galinha caipira, polpa de frutas produzidas por pequenos produtores, além de produtor 100% orgânicos, ou seja, livre de agrotóxicos”, conta. “Além disso, fechamos parceria com o renomado cheff de cozinha, Fábio Sicilia para realizar cursos de técnicas de corte, aromas, ervas e temperos para as merendeiras das escolas municipais”, revela Demachki.

O Prêmio é uma atividade de avaliação, seleção e divulgação de boas gestões públicas municipais do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Seu objetivo é destacar os prefeitos que realizam gestões criativas e responsáveis do PNAE e disseminar estas boas práticas, para que sejam conhecidas e adotadas por outros gestores. Este ano foram inscritos 1.082 municípios. Entre agosto e setembro, 37 prefeituras finalistas em todo o País receberam as visitas técnicas de pesquisadores do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A premiação terá as seguintes categorias regionais: • Pequenas Cidades; • Médias e Grandes Cidades; • Valorização Profissional das Merendeiras; • Merenda Indígena e/ou Quilombola.
 
ASCOM / PMP
 

Projeto Sorrisos Felizes atende na Comarca de Paragominas até 26 de novembro

Odontólogos do Judiciário também prestam atendimento a crianças atendidas pelo Projeto Juquinha

O Projeto Sorrisos Felizes, idealizado pelo Serviço de Odontologia do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, está com seus serviços itinerantes na Comarca de Paragominas, prestando atendimento a servidores das unidades judiciárias e respectivos dependentes desde a última segunda-feira, 21. As atividades, que se estendem também ao atendimento de 40 crianças beneficiadas no Projeto Juquinha, que atende crianças excepcionais, seguem até o próximo sábado, dia 26.

O projeto conta com 9 anos de atividades e já realizou mais de 10 mil procedimentos em todo o Estado. A cada mês, os odontólogos e servidores do Setor Médico seguem para uma Comarca, onde montam o consultório itinerante para atendimento. Em Paragominas, a equipe conta com o apoio da Prefeitura Municipal e da diretora do Fórum, juíza Shérida Pacheco Teixeira.

A equipe itinerante é composta por dois odontólogos, duas assistentes e um técnico de manutenção. Entre os serviços prestados estão o de clínica geral, cirurgia, odontopediatria e prevenção e orientação bucal. A Comarca que tiver interesse em receber o projeto deve ligar para o telefone 3205-2244 do Serviço de Odontologia do TJPA.(Texto: Marinalda Ribeiro)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Operação “Sentinela do Norte” previne e combate criminalidade

Foto: Bruno Nascimento

Com objetivo de preservar a ordem pública, através de ações preventivas e repressivas para garantir a proteção da população, a Secretaria de Segurança Pública do Pará, através do 19º BPM realizou a operação “Sentinela do Norte” no último dia 11 de novembro em Paragominas, na região nordeste do estado.

Sobre comando do Major Dênis e Capitão Henrique, a Polícia Militar empregou o efetivo da 13ª Zpol e Polícia Rodoviária Estadual. A força tarefa contou ainda com apoio de homens da 13ª Seccional de Polícia Civil, Conselho Tutelar, Detran, 1º Sub-Grupamento de Bombeiros Militar, Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), Polícia Rodoviária Federal e Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma).

Vários bairros receberam a presença da força tarefa. Entre eles estão o Nagibão, às margens da BR-010. Centro, Cidade Nova, praça Cleodoval Gonçalves, Jaderlândia, Jardim Bela Vista, Novo Horizonte e PA-125, área periférica de Paragominas.

Fotos: Bruno Nascimento
Os resultados foram positivos. Mais de 40 bares foram fiscalizados. 05 deles tiveram que fechar por falta de documentações necessárias para funcionamento, 38 caminhões, 330 motocicletas, 14 ônibus, 12 táxis, 521 veículos particulares foram abordados. O que totalizou 915 veículos fiscalizados pelos órgãos competentes. Mais de 1.500 pessoas foram abordadas. Um homem foi preso em flagrante portando um revolver calibre 32 com três munições intactas.


A Polícia Militar chegou até um fabricante de armas caseiras, através de levantamentos feitos pelo grupo de Inteligência de Paragominas. Ao todo, foram 14 apreensões de arma de fogo, 16 armas brancas, 36 motos e 09 carros apreendidos e uma pessoa foi detida por está portando 300 gramas de maconha.

A operação “Sentinela do Norte” foi realizada também nos municípios de Ipixuna do Pará, Ulianopólis e Dom Eliseu, unidades militares subordinadas ao 19º Batalhão de Polícia Militar, que tem à frente o tenente-coronel Rubenlúcio.

Bruno Nascimento, de Paragominas. 

Prefeito Adnan Demackhi se posiciona contra a Divisão do Pará

Amigos de Paragominas. Dia 11 decidiremos não os proximos 4 anos. Mas o futuro do Pará. Respeito o posicionamento de todos, afinal vivemos uma democracia plena. Tenho o dever de expor meu pensamento acerca do plesbicito.

Voto NÃO e NÃO, pelos seguintes motivos:

1. Bilhões de reais deverao ser gastos nas novas estruturas de poder (governadores, assembleias legislativas, tribunais de justica, tribunais de contas, etc). Esses recursos podem ser aplicados em educacao, saude, estradas, etc.

2. Quando Tocantins foi emancipado, estava-se elaborando a Constituição Federal e os Constituintes inseriram o art. 234, perdoando a divida do Estado Mãe - Goias, e no mesmo dispositivo, PROIBIRAM novos perdões. Ou seja, o remanescente do Pará (incluso Paragominas) ficaria somente com 17 por cento do atual territorio, perderia o minerio do sul do Estado, perderia as riquezas florestais do Oeste do Estado, perderia a hidrelétrica de Tucurui, perderia a futura hidreletrica de Belo Monte (de produtor passaria a importador de energia) e a atual divida do Estado ficaria somente para o Pará. Tapajos e Carajás não assumiriam sequer parte da atual divida.
 
3. Passam pela midia, o sentimento de que a divisao do Estado e a solução para todos os problemas do Interior. Sabemos que as regiões distantes não são lembradas como a capital. Paragominas também fica no interior, e talvez tenha sido um dos municipios mais esquecidos pelo governo do estado, no mandato anterior. Busquem os indices desse periodo, avançamos em todos os indices. Claro que temos problemas, mas é inegavel que avançamos muito. Isso porque, acreditamos que quem resolve nossas demandas somos nos, a sociedade local. Ninguem vem de fora, como salvador da patria, resolver nossos problemas. Aqui, poder publico municipal pactuando com a sociedade civil, permitindo que pudessemos avançar em todos os indicadores e na própria infraestrutura da cidade. Se vier algo de fora, otimo. Mas não ficamos esperando em berco esplendido.


4. Para resolver as demandas do Estado, não é a divisao que devemos buscar. Mas, devemos nos unir em torno da luta contra a Lei Kandir que impõe perdas ao Estado (também a Paragominas), já que a Lei zera o imposto sobre a exportacao de minerios/madeira/ etc. Deveriamos nos juntar para que o Pará receba ICMS da energia elétrica que produz e hoje quem recebe não é o Estado que produz, mas o que distribui na ponta.

5. Com a divisão o nosso Para perderia receitas, mas continuaria com a maioria das despesas (e com a divida), pois nele estaria também a maior parte da população paraense (64 por cento da populacao atual).
Por isso, amigos de Paragominas, reafirmo meu respeito as posições contrarias, contudo reitero meu posicionamento acreditando que a divisão não é a saida para a melhoria da qualidade de vida de todos os paraenses, muito menos para o que restaria do Pará, incluindo-se aí a nossa Paragominas. Voto NÃO e NÃO.

Adnan Demackhi, Prefeito de Paragominas.

Governador Simão Jatene se posiciona contra a Divisão do Pará

Governador do Pará, Simão Jatene

Minhas amigas e meus amigos,

O Pará vive o maior desafio da sua história recente. No plebiscito do próximo dia 11 de dezembro, cada paraense, cada homem e cada mulher, terá a responsabilidade de dizer se quer o Pará unido ou dividido em três pedaços.

Como todo paraense, também estou preocupado com a votação, mas como governador tenho a obrigação, a responsabilidade, de estar particularmente atento ao que ocorrerá no dia seguinte ao plebiscito. Quais as consequências reais e os desdobramentos dessa disputa.

Todos sabemos que a questão da divisão do nosso Estado não é coisa nova, à semelhança de vários projetos de divisão territorial existentes no Congresso Nacional, envolvendo estados de grandes e pequenas extensões, como Minas Gerais e Piauí, estados muito ricos e muito pobres, como São Paulo e Maranhão, entre outros. Entretanto, não se pode negar que, até o ano passado, esse assunto, em maior ou menor intensidade, se constituía discurso de alguns políticos nas suas campanhas eleitorais e se esgotava no pós-eleição; portanto, com consequências bem diferentes do que pode ocorrer agora, quando ameaça virar elemento de conflito entre irmãos.

Paraenses, ainda que eu deseje o contrário, tudo leva a crer que, seja qual for o resultado do plebiscito, o dia seguinte será marcado por mágoas, ressentimentos e desconfianças que podem se tornar duradouras, considerando que, diferentemente das eleições regulares que se renovam a cada quatro anos, o plebiscito terá caráter muito mais efetivo e permanente.

E aí cabe perguntar: quem vai cuidar das feridas? E dos ressentimentos? Como evitar que eles se enraízem nos corações e mentes da nossa gente?

A insegurança é maior quando sabemos que o projeto de divisão em pauta não foi fruto de qualquer estudo prévio que procurasse definir o perfil de cada novo Estado. Quais os municípios que deveriam integrar esse ou aquele Estado para que se tivesse um melhor equilíbrio econômico, social e político, para que o povo fosse efetivamente beneficiado. Não, a população em todo esse processo, lamentavelmente, não teve seus interesses considerados. Foi apenas 'um detalhe'. 'Detalhe' que, agora, tem a responsabilidade de decidir diante de um 'prato feito', sem poder mudar mais nada.

Até que seja provado o contrário, os parcos estudos existentes não fundamentam uma proposta de divisão, quando muito tentam justificar, ou não, uma divisão baseada num elevado grau de aleatoriedade e subjetividade. E é neste cenário que, como governador, tenho que mediar interesses para que os problemas não se agravem.

Se o 'não' for vitorioso, teremos que buscar, todos juntos, cada vez mais, aproximar as regiões e fortalecer o que nos une, implantando novas formas de gestão territorial. Por outro lado, se for o contrário, entre o plebiscito e a implantação de um novo Estado, como ficará a governança do todo que na prática ainda se manterá unido? Quanto tempo levará a efetiva implantação do novo Estado, uma vez que para tal tem que ser ouvida a Assembléia Legislativa, o Congresso Nacional e até a Presidência da República?

Amigas e amigos, o governador, independentemente da sua vontade, tem a responsabilidade constitucional e institucional e o dever ético de conduzir essa questão tão delicada, alertando e tratando das rugas, buscando evitar que as cicatrizes se eternizem.

Os estados até hoje criados o foram em condições bem diferentes das atuais, não colocando em confronto as pessoas, não onerando ainda mais as populações locais e, nesse sentido, nos ajudam muito pouco sobre a experiência do dia seguinte que terá que ser vivida por nós, em certo sentido cobaias de um processo novo e diferente.

Por tudo isso, é preciso ter cuidado ao tratar dessa questão. A ética da responsabilidade me impõe deveres dos quais não posso me afastar. Entretanto, se a responsabilidade me aconselha isenção, do mesmo modo, até por amor à nossa gente, me exige que alerte a todos sobre alguns riscos.

Sempre digo que o voto é tanto mais expressão democrática quanto mais as pessoas souberem sobre o que estão votando; caso contrário, ele pode se transformar no simples aval popular para interesses de alguns, chancela da vontade de grupos específicos.

Assim, não posso deixar de registrar a minha preocupação diante dos rumos da campanha, particularmente na televisão, onde salta aos olhos que o 'vale tudo' está em marcha. Falo, exemplificando, do esforço de tentarem destruir a autoestima do paraense e mostrar, como alternativa, que a simples divisão, automaticamente, trará ganhos financeiros aos três estados.

Ora, com todo o respeito que possa ter pelos que fazem tal afirmação, ela não tem qualquer fundamento técnico, como pretendem seus defensores. Pelo contrário. Se quanto à elevação das despesas a criação de novos estados não deixa dúvidas, quanto às receitas, pelo menos atualmente, qualquer prognóstico se faz sob enorme incerteza. Especialmente nesse momento que as transferências federais, e em especial os critérios de distribuição do Fundo de Participação dos Estados (FPE), até por decisão judicial, devem ser reformulados até o final de 2012.

Minhas amigas e meus amigos, eu nunca vi alguém de Belém dizendo que não gosta dos irmãos de Santarém; do mesmo modo, jamais vi alguém de Santarém dizendo que odiava o povo de Marabá. Não, felizmente isso não faz parte da nossa história.

Temos dificuldades, sim, mas quem não as tem? Historicamente, fomos usurpados de nossas riquezas sem que parte da classe política fosse capaz de se unir na defesa das mesmas. Por que jamais nos mobilizamos, efetivamente, para fazer com que a República compensasse o nosso Estado pela fantástica contribuição que sempre deu, e continua dando, para o desenvolvimento brasileiro? Quem tiver boas propostas que as apresente, mas não posso aceitar que, na tentativa de impor seus interesses, qualquer grupo fantasie a realidade e recorra a meias-verdades, levando a nossa população, sobretudo a mais simples, independente da região em que vive, a equívoco e frustração. Não posso aceitar que a luta pela divisão do território se transforme em divisão do nosso povo.

A Europa está cheia de exemplos em que as lutas religiosas, étnicas, deixaram feridas que não cicatrizam. Não podemos permitir que isso aconteça conosco. O Pará não merece isso. A nossa gente não merece.
 
No peito de cada paraense, esteja ele em Belém, Santarém, Marabá, Altamira, São Felix do Xingu, Chaves, ou em qualquer lugar, bate um coração generoso e vencedor, sempre aberto e disponível a ajudar a todos, até com as nossas riquezas e belezas. Por isso, basta que nos determinemos, individual e sobretudo coletivamente, que construiremos uma sociedade mais feliz.
 
Que Deus nos dê sabedoria e ilumine a todos.

Paragominas comemora mais um Círio de Nazaré

Foto: Bruno Nascimento

O terceiro domingo de novembro, agora instituído por Lei Municipal, é comemorado o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, a maior festa do povo católico da Rodovia Belém-Brasília, segundo romeiros e seguidores da Virgem de Nazaré.
Logo mais, por volta das 8 horas, a imagem de Nossa Senhora de Nazaré sairá da Igreja Católica do bairro Promissão III e depois de percorrer várias ruas da cidade, chegará à Igreja Matriz, localizada na Praça Célio Miranda.
Durante o trajeto, serão feitas várias homenagens, com chuva de papel picado e fogos. As ruas estão repletas de fiéis que se desdobram para conseguir um lugar mais próximo da imagem. A corda, tradicional entre os promesseiros da capital do Estado, também é marca registrada no Círio de Paragominas. Além do mais, várias pessoas são vistas carregando pequenos objetos, como maquetes de casas e tijolos, outros, com dificuldades, mas sem reclamações nenhuma, agradecem durante a caminhada as graças alcançadas.
Os padres Deusamado Moura e José Calazans e seus auxiliares, além da Guarda de Nazaré, este ano muito maior que no ano passado, circundam a imagem e conduzem a multidão. Segundo estimativa da própria Igreja Católica, são esperadas 70 mil pessoas, oriundas não apenas dos bairros periféricos, mas das comunidades rurais e de outras cidades do Pará e de outros estados do País.
Ao término da Procissão será celebrada uma Missa ao ar livre e após o ato religioso os promesseiros e fiéis poderão almoçar no Salão Paroquial ao lado da Igreja Matriz. Nesse momento, já se houve os estampidos dos fogos e as orações de quem acredita na salvação através da fé na Mãe de Jesus.

Jorge Quadros, de Paragominas.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Círio 2011: organizadores esperam cerca de 70.000 devotos

Foto: Bruno Nascimento
(arquivo)

Foi na Igreja Católica do bairro Promissão III, onde foi realizada uma missa em agradecimento à Nossa Senhora de Nazaré em 2010. Em seguida, milhares de devotos saíram às ruas daquele município em sua 18ª romaria. 

Sobre forte calor, homens e mulheres saíram em direção à Igreja Matriz, no Centro de Paragominas. Uma das principais formas de agradecimentos dos devotos que seguiram à santa, eram com pés descalços. Outros agradeciam com outros gestos. Miniaturas de residências na cabeça; empurrando moto; carrinhos de bebês; tijolos; entre outros objetos que simbolizavam bênçãos alcançadas através da padroeira da Amazônia. Além de segurar a corda que este ano, teve 300 metros de cumprimento.

Foram 8,4 km de fé, devoção e amor. O trajeto é o dobro do círio da capital paraense. Durante o percurso, várias canções foram entoadas em homenagem à santa. A berlinda foi empurrada por homens da Guarda de Nossa Senhora de Nazaré de Paragominas, ao lado do padre Deuzamado Moura. Percorrendo ruas do bairro Promissão III; II; I; Guanabara; Cidade Nova; Uraim e Centro.

Durante o percurso, várias famílias aguardavam a passagem da santa, para prestar suas homenagens. Através de altares feitos em frente as residências ou nas distribuições de águas.

Por volta das 11h30, à imagem chegou no Centro de Paragominas. Foi retirada da berlinda, e levada para palco na praça “Célio Miranda”, onde foi realizada uma missa campal. A corda foi recolhida pelos guardas para poder ser usada durante o círio em 2011. O fechamento oficial foi marcado por um show pirotécnico.

A Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, acompanharam todo trajeto, nenhum incidente foi registrado. Segundo os órgãos de segurança pública, aproximadamente 60 mil pessoas participaram do círio 2010 de Paragominas. Este ano, a organização da festa espera um público de 70.000 devotos de Nossa Senhora de Nazaré. 

Bruno Nascimento, de Paragominas.

PM de Paragominas divulga dados de operações

Foto: Bruno Nascimento

O 19º BPM, por meio da 13ª Zpol, divulgou nesta sexta-feira, 18, dados das operações “Patrulhões”, “Barreiras Policiais” e “Saturações”, planejadas pelo comando do 19º Batalhão de Polícia Militar de Paragominas, na região nordeste do estado.

As operações tiveram resultados positivos, segundo o comando de policiamento em Paragominas. No dia 05 de outubro, ao comando do tenente Ney e sargento Nilo, uma força tarefa em parceria com a Polícia Civil, Conselho Tutelar, Departamento Municipal de Trânsito (Demutran) e Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), realizaram “Operação Patrulhão”. A ação marcou presença nos bairros Colônia do Uraim, Nagibão I e II, Pandolf, Cidade Nova, Camboatã, Jaderlândia e Promissão I. Foram abordados diversos veículos automotivos entre carros e motos. Duas pessoas foram autuadas por estarem dirigindo alcoolizados. Dezenas de pessoas foram abordadas em diversas festas dançantes e, em vias públicas da cidade.

Homens do 19º BPM continuaram trabalhando no sentido de ofertar policiamento preventivo por toda cidade. A operação “Barreira Policial” se estendeu pelos os bairros Centro, Cidade Nova, Jardim Bela Vista, Jardim Atlântico, Jaderlândia, Aragão, Promissão I e II, Camboatã I e II, além da avenida Presidente Vargas e rodovias PA-125 e PA-256.

Ao todo foram revistados 337 carros; 257 motos; sendo 05 carros notificados; 41 veículos conduzidos para o pátio do Demutran por falta de documentação necessária; além de centenas de pessoas abordadas onde foram feitas buscas pessoais.          
   
Ainda no mês de outubro, a “Operação Saturação”, chegou aos bairros Jardim Atlântico, Cidade Nova e Novo Horizonte. Foram mais de 70 carros, 58 motos abordados; 06 bares fiscalizados, sendo que, 02 foram fechados, por falta de documentações; centenas de pessoas foram abordadas durante a operação.

A 13ª Zpol tem à frente o capitão Henrique, que faz parte do 19º BPM, que tem como comandante do tenente-coronel Rubenlúcio, unidade militar subordinada ao Comando de Policiamento Regional VI da Polícia Militar do Pará.

Bruno Nascimento, de Paragominas. 

O maior cartão postal de Paragominas está entre as Sete Maravilhas do Pará!

Dia 17 de novembro de 2011: o Parque Ambiental Adhemar Monteiro, de Paragominas, entra para a seleta lista das Sete Maravilhas do Pará, uma promoção do jornal O Liberal onde os leitores puderam escolher por meio de votação os locais mais bonitos do Estado. A votação também aconteceu por meio do Portal ORM e consagrou, além do Parque Ambiental de Paragominas, a Igreja de Pedra de Vigia, a Praia do Atalaia, em Salinas, Alter do Chão, o Círio de Nazaré, a Ilha de Mosqueiro e o Parque Zoobotânico de Carajás como as sete maravilhas do Pará. Além das 7 Maravilhas, foram escolhidos 3 destaques: o Mercado do Ver-o-Peso, o Theatro da Paz e o Complexo Feliz Lusitânia que foram lembrados por obterem uma expressiva votação entre os leitores. A premiação foi entregue em um a noite de gala no Hangar – Centro de Convenções da Amazônia, durante a entrega do Prêmio ORM ACP.

O governador Simão Jatene foi escolhido para receber a premiação dos lugares mais bonitos do Estado que foram eleitos pelos leitores de O Liberal. “Aproveito este momento para parabenizar as ORM e a ACP por essa festa bonita que congratula as empresas paraenses. Não conheço outra forma que autoestima ou o combustível mais importante para ela que é o reconhecimento. Aqui fica uma grande lição para cada empresário ou pessoa que contribua para que se tenha emprego e renda para enfrentarmos desafios como a pobreza e a desigualdade que são os grandes problemas da humanidade”, disse

E quem foi receber o prêmio por Paragominas, foi o prefeito Adnan Demachki, o idealizador do Parque. Para Demachki, é mais um reconhecimento que a cidade recebe. “A  eleição foi feita por voto popular. Isso significa que os paraenses elegeram o Parque Ambiental de Paragominas, em especial os paragominenses, que votaram e que sabem o grande significado desse espaço para o município. Essa é uma vitória de todos”. Após a premiação das sete maravilhas, foram anunciados os nomes das 33 empresas que mais se destacaram no Pará.

Histórico

O Parque foi idealizado pelo Prefeito Adnan Demachki. A construção começou em 2005 e foi concluída em 2008. Com recursos próprios do Município, o restante obtido junto á Companhia Vale do Rio Doce (na época ainda era chamada assim), que implantava uma mina de bauxita na cidade. Demachki diz que o projeto de concepção do parque foi uma solução caseira. “Como os recursos eram pequenos, formatei o projeto do parque com os profissionais da própria Prefeitura, e a execução da obra foi direta”, afirma. Adnan ainda conta que, nos últimos meses de obra, seu gabinete foi praticamente transferido para dentro do Parque, visto que passava mais tempo lá que na própria prefeitura. O resultado é visível: é o espaço mais belo de toda a região de Paragominas, tornando-se um lugar aprazível para o lazer, mas também para educação ambiental.

Há três anos, quando foi inaugurado, o Parque Ambiental de Paragominas era somente mais um cartão-postal da cidade, que serviria como opção de lazer para paragominenses de todas as idades. Com o passar dos meses, ele foi agregando mais valor, transformou-se em símbolo do Projeto “Paragominas Município Verde” e seria palco dos mais diversos eventos culturais da cidade. O maior deles até hoje, foi os Jogos Indígenas, realizado em outubro de 2009.

Os seus 13 hectares de área verde começaram a ser requisitados nos mais diversos eventos, como: Natal, Festa Junina, Dia das Crianças, além de ser o laboratório natural para as aulas de Educação Ambiental dos mais de 30 mil meninos e meninas matriculados nas escolas da rede municipal de ensino. Lá, são encontrados dois ecossistemas: área de várzea e terra firme. Os professores de Paragominas já aprenderam a explorar o Parque em suas aulas e as crianças adoram. São cerca de 100 espécies nativas de árvores e plantas encontradas na área.

Os animais também fazem parte desta história. No começo, o parque não tinha tantos animais, agora a realidade é outra. Logo na entrada, o visitante se depara com o mais ilustre morador do lugar: Fernando, a Arara Vermelha mais simpática da região. A arara foi apreendida pelo Ibama e doada ao Parque e se tornou um dos ícones do local. Mesmo tendo perdido um olho por causa dos maus tratos sofridos anteriormente, dá pra notar que Fernando é feliz. O passado ficou pra trás e hoje goza de boa saúde, graças ao carinho de Dona Augusta Silva, uma espécie de protetora e mãe desses animais. Dona Augusta trabalha no Parque desde sua inauguração, no dia 15 de dezembro de 2007 e diz ser muito feliz cuidando das plantas e dos animais. “Os animais que chegam por aqui são de espécies nativas da região, como as araras, papagaios, quatis, tartarugas, preguiças, etc”, conta Augusta.

Num breve passeio pelo parque, o visitante pode se deparar com vários animais soltos, como coelhos, capivaras, cuatis, jabutis, tartarugas, bicho-preguiça, macacos. A lista é longa, já que se trata de uma área verde em plena cidade e acaba servindo de refúgio para esses animais.

Para o Parque estar sempre limpo e bonito para receber seus visitantes, uma equipe de seis pessoas trabalham em sua manutenção. São dois lagos, um com pedalinho, e um rio que passa atrás (Rio Uraim), além de uma trilha ecológica que atravessa uma área de várzea às margens do rio Uraim.

Segundo a Coordenação de Turismo da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer, o Parque Ambiental de Paragominas é o maior e mais importante cartão-postal da cidade. Ainda mais agora que se fala tanto em conservação do meio ambiente. Além do clima agradável, é um lugar de lazer que se pode levar toda a família.

Para as crianças, o lugar é mágico e perfeito para a atividade preferida: brincar! Com as maçãs do rosto vermelhas de tanto pular e brincar, o pequeno David Ricardo comprova a predileção. Mesmo nem precisando perguntar, perguntamos o que ele mais gosta de fazer no Parque. A resposta? Brincar!


Foto de divulgação: Claylton Dias / Texto Ascom PMP

Agricultores familiares de Ipixuna do Pará ganham casa de mel

Da Redação
Agência Pará de Notícias

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) doou na última quinta-feira, 17, à Associação de Apicultores do Município de Ipixuna do Pará, uma casa de mel completa, com maquinários e estrutura básica. Os parceiros assinaram um termo que garante, no período de um ano, a realização das adequações necessárias ao pleno funcionamento.
A escolha da Emater para a implantação do empreendimento da agricultura familiar na Comunidade Gleba 11, onde fica a sede da Associação, se deu pela boa produção de mel já existente da região. Há três anos a comunidade comercializa o que produz, ainda de forma artesanal, para a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Atualmente, a venda ultrapassa R$ 150 mil.
Segundo Michele Santos, tecnóloga de alimentos do escritório local de Ipixuna do Pará, o termo proposto pela Emater e assinado pela associação foi a estratégia usada para uma cobrança de resultados. Ficou para o prazo de um ano a realização de alterações estruturais na casa de mel, como piso, forro e altura do prédio, que precisa medir quatro metros. “O período estabelecido foi definido em reunião, garantindo, dessa forma, que os apicultores possam vender a produção deste ano à Conab e, com dinheiro obtidomna venda, fazer as adequações necessárias”, disse.
A casa de mel, com o maquinário completo, todo em aço inox, entregue pela Emater resulta de uma parceria firmada desde o início deste ano entre a empresa e o grupo empresarial Imerys. Agora os agricultores familiares do município deixam de ter uma produção artesanal para uma contar com uma linha de produção profissionalizada.
Kenny Teixeira - Ascom/Emater

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

CPC Renato Chaves fará manutenção em câmaras frigoríficas do IML

Da Redação
Agência Pará de Notícias

Até o final dessa semana o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves fará manutenção em cinco câmaras frigoríficas do Instituto Médico Legal (IML), onde são armazenados os cadáveres sem identificação. Para que este serviço seja realizado, as máquinas serão desligadas e um caminhão frigorífico será instalado na área externa do Centro, sediado na Rodovia Transmangueirão, em Belém, com temperatura e espaço adequados para conservar os corpos.
O serviço de recuperação das câmaras frigoríficas do CPC Renato Chaves tem previsão para durar cerca de dois meses e assim que forem concluídos, os cadáveres retornarão ao espaço de conservação devido, nas dependências da instituição, e seguirão os procedimentos de liberação aos familiares, caso haja identificação, ou para sepultamento, como não identificados.
Essa será a primeira vez, em cinco anos, que as câmaras do IML receberão manutenção desse porte e com uma logística específica, o que garante um salto de qualidade nas ações de perícia, nas áreas de Medicina Legal e Criminalística, desenvolvidas pelo órgão.
Formado pelo Instituto de Criminalística e pelo Instituto Médico Legal, o CPC Renato Chaves atende usuários do sistema de Segurança Pública, Ministério Público, Poder Judiciário e sociedade em geral. É responsável pela perícia oficial do Estado do Pará e tem como finalidade coordenar, disciplinar e executar a perícia cível e criminal.
Com um corpo técnico formado por cerca de 290 peritos criminais e 80 médicos legistas, o Centro atende hoje a Região Metropolitana de Belém e o interior do Estado através das Unidades Regionais de Castanhal, Santarém, Marabá e Altamira, além dos Núcleos Avançados de Bragança, Abaetetuba, Parauapebas e Tucuruí. Futuramente, mais um núcleo será inaugurado em Paragominas.
Nil Muniz - Ascom/CPC Renato Chaves

PARAGOMINAS - PARÁ "MUNICÍPIO VERDE"

"Essa é a Paragominas do Futuro, que me inspira de emoção e alegria, além de exemplo é a pura construção de um Futuro bom para todos". -  Daniel Mescouto

Localizada no Nordeste do Pará, tem sede no encontro do início da rodovia PA 256 com a PA 125. A sede do Município fica a 12 km da "Belém-Brasília", rodovia de integração da Amazônia ao restante do País.

Vídeo documentário de toda a trajetória de um município destinado a ser exemplo para todo o Brasil, na área de meio ambiente. Paragominas tornou-se a primeira cidade da Amazônia a deixar a lista dos município que mais desmatam a Amazônia.
Conheça a história de Paragominas no estado do Pará.



localização no google earth
latidude: 2°59'44.24"S
longitude: 47°21'16.67"O

















Paragominas recebe o Prêmio Chico Mendes 

de Meio Ambiente




Siga o ParagoNews

Minha lista de blogs